26 de agosto de 2015

O vídeo de JailBreak relembra o rock do AC/DC com Bon Scott

Capa do compacto JailBreak da banda AC/DCHoje eu publiquei na página do Lobo do Rock do Facebook o vídeo Jailbreak, da banda australiana AC/DC. Foi quando me ocorreu de publicar aqui também, com detalhes sórdidos não publicados na rede social.

O vídeo da música "Jailbreak" foi filmado em março 1976 para o programa de música da Austrália, "Countdown" e foi dirigido por Paul Drane. A locação foi em uma pedreira de Albion, perto de Melbourne e contou com os membros da banda na época. Phil Rudd e Bon Scott vestidos como prisioneiros (uniforme azul), Mark Evans e Malcolm Young eram os guardas, e Angus Young vestido com o que ele descreveu mais tarde como "pequenos pijamas de condenado". Os irmãos Young, Evans e Rudd apareceram tocando seus instrumentos, enquanto Scott canta. Este vídeo foi apresentado no DVD do AC/DC Family Jewels.


31 de julho de 2015

ficheiro do google

google2dced45ae9c102cc.html

17 de abril de 2015

Vote no Setembro no programa "A Vez do Brasil"

Você que curte o som do Setembro, que nos ouve nos streamings, que assiste os nossos videos e curte as nossas postagens nas mídias sociais... o nosso muito obrigado!!Vocês tem sido uma grande força na realização desse sonho.Mas podemos chegar mais longe!Vote no Setembro no "A Vez do Brasil"http://www.radiocidade.fm/avezdobrasil/listar/135

Cartaz Eu quero Setembro

16 de abril de 2015

Curso de Produção Culural com Patrícia Ferraz no RJ

Curso de Produção Cultural com Patrícia Ferraz
Curso de Produção Cultural
Ministrado por Patrícia Ferraz

Data:
9 de maio (sábado)
das 9 às 17h

Local:
Studio Psicodrama
Rua Santo Afonso, 110 sala 701 - Tijuca - RJ
(próximo ao Metrô Saens Peña)

Mais informações:
(21) 99167-2421

8 de abril de 2015

Today is your day, Steve Howe!

Steve Howe e sua Gibson ES-175
Steve Howe e sua Gibson ES-175
Stephen James Willian John Howe, ou como é mundialmente conhecido, Steve Howe (Londres, 8 de abril de 1947) é um músico inglês de rock progressivo, internacionalmente conhecido por seu trabalho como guitarrista da banda Yes. Considerado um dos melhores e mais influentes guitarristas de todos os tempos. Ele também já participou das bandas The Syndicats, Bodast, Tomorrow, Asia e GTR, além de já ter lançado 14 álbuns solo.

As influências
Howe ganhou sua primeira guitarra aos doze anos tendo sido fortemente influenciado pela música clássica e por vários artistas como Wes Montgomery, Bill Haley, Les Paul e Jimmy Byant; mas sua maior influência foi Chet Atkins por sua técnica chamada chiken´picken, misturada ao estilo country de tocar, o qual Howe aprendeu sozinho e o incorporou em seus primeiros shows nos bares londrinos. Começou a tocar com sua primeira banda, The Syndicats, em 1964. Howe deixou o grupo após este ter lançado vários singles. Em seguida, juntou-se ao grupo The In Crowd, que mudou o nome para Tomorrow. Com esse nome lançaram dois singles e um álbum. O Tomorrow se separou em 1968 e Howe passou a integrar a banda Bodast, onde conseguiu sucesso considerável, mas a gravadora faliu antes que pudessem lançar o primeiro álbum. Após a experiência no Bodast. Chegou a fazer audiências com o The Nice e com o Jethro Tull, mas sem o sucesso que esperava.

The Yes album
A década no Yes
Por volta de 1970, os membros do Yes já tinham ouvido falar de Howe e decidiram convidá-lo para a banda, pois estavam insatisfeitos com o trabalho de Peter Banks. O primeiro álbum de Howe no Yes foi o The Yes Album, onde ele mostra todo sua técnica e feeling incomuns em faixas como "Your Is No Disgrace" e "Starship Trooper" . O álbum Fragile, lançado em 1972, foi um grande sucesso comercial e definiu aquele estilo de som pelo qual Howe e o Yes seriam internacionalmente conhecidos. Mesclando seu incrível virtuosismo à habilidade de integrar vários instrumentos de corda em seus trabalhos complexos e intrincados.

Yes - Fragile (1972)

Dominando guitarras acústicas, elétricas, lap-steel guitars, banjos e bandolins, Howe soube se encaixar de modo único entre os hábeis bateristas Bill Bruford e Alan White, o baixo vigoroso de Chris Squire, os vocais líricos de Jon Anderson e o tecladistas Rick Wakeman e Patrick Moraz entre outros. Howe também dividia os vocais do Yes, com Anderson e Squire, fazendo camadas sonoras de variações tonais e trazendo para o rock a o caráter sinfônico. Steve Howe utiliza muitas guitarras diferentes em seus trabalhos, mas durante sua estada no Yes, as Gibson ES-175 e ES-335 têm sido suas companheiras inseparáveis, assim como o sua guitarra acústica Martin. Durante o áureo período dos anos 70, o Yes produziu músicas riquíssimas e de sonoridade ímpar. Entre as performances mais memoráveis de Howe, estão "Roundabout", "Siberian Khatru", "Close To The Edge", "The Clap", "Mood For A Day", "Awaken" e "Gates Of Delirium". Ao vivo, Howe crescia ainda mais, c/ solos estratosféricos capazes de hipnotizar até mesmo aos virtuosos membros da banda. Jon Anderson às vezes se referia a ele como "maestro". Para a maioria dos fãs do Yes, Steve Howe é um dos maiores guitarristas de todos os tempos, mais por sua musicalidade do que pelo seu virtuosismo.

Asia - Heat of the Moment (Live in San Francisco 2012)

Do Asia até hoje
Howe permaneceu no Yes até 1980, quando formou a banda Asia junto a Geoff Downes, John Wetton e Carl Palmer. Deixou o Asia em 1983 e montou a banda GTR, em 1986, com o ex-guitarrista do Genesis, Steve Hackett. Após um rápido retorno ao Yes (entre 1989 e 1991), Howe se dedicou intensamente à sua carreira solo. Em 1995 reuniu-se mais uma vez ao Yes. Até hoje (Dezembro de 2010) Howe faz parte do Yes e mesmo após tantos anos de trabalho em várias bandas, não pensa em parar de tocar. O trabalho musical de Steve Howe, elevou a sonoridade da guitarra elétrica a um nível jamais pensado e ele dedica boa parte de seu tempo ao instrumento. Howe tem uma coleção com mais de mil guitarras: Gibson archtops, semi-acústicas, double-necks, Fenders, Rickenbackers e muitos violões Martin raros, adquiridos ao longo dos anos e mantidos impecáveis até hoje. Howe publicou o livro "Guitar Quantum" com fotos e especificações técnicas de sua coleção. A Gibson, fabricante norte-americana de instrumentos, relançou o modelo ES-175 como a "Steve Howe Signature Model". Howe já revelou o desejo de construir um museu da guitarra. A sua técnica e criatividade são referências obrigatórias para os aficionados do instrumento.

Steve Howe - Beginnings (1975) Álbum completo

Álbuns solo
Beginnings (1975) 
The Steve Howe Album (1979)
Turbulence (1991)
The Grand Scheme of Things (1993)
Not Necessarily Acoustic (1994)
Homebrew (1996)
Quantum Guitar (1998)
Pulling Strings (1999)
Portraits of Bob Dylan (1999)
Homebrew 2 (2000)
Natural Timbre (2001)
Skyline (2002)
Masterpiece Guitars (com Martin Taylor) (2002)
Elements (2003)
Spectrum (2005)
Remedy Live (2005)
Homebrew 3 (2005)
The Haunted Melody (2008)
Motif (2008)
Traveling (2010)
Homebrew 4 (2010)
Time (2011)

Fonte : Wikipedia


7 de abril de 2015

A Song For You, de Leon Russell em vídeo de 71 ao vivo no estúdio


A Song For You
Leon Russell

I've been so many places
In my life and time

I've sung a lot of songs
I've made some bad rhymes

I've acted out my life in stages
With ten thousand people watching
But we're alone now
An' I'm singing this song to you

An' I know your image of me
Is what I hope to be
I treated you unkindly
But darlin', can't you see?

There's no one more important to me
Darlin', can't you please see through me?
'Cause we're alone now
An' I'm singing this song to you

You taught me precious secrets
Of the truth withholding nothing
You came out in front
An' I was hiding

But now I'm so much better
An' if my words don't come together
Listen to the melody
'Cause my love in there hiding

I'll love you in a place
Where there's no space and time
I'll love you for my life
You are a friend of mine

An' when my life is over
Remember when we were together
We were alone
An' I was singing this song to you

But I'll love you in a place
Where there's no space and time
I'll love you for my life
You are a friend of mine

An' when my life is over
Remember when we were together
We were alone
An' I was singing this song for you

We were alone
An' I was singing this song for you
We were alone
An' I was singing that song
Singing this song for you

Esse vídeo é Excerto das "Homewood Sessions" de 1971, que se destacam Leon Russell e um punhado de amigos (Don Nix, Chuck Blackwell, Joey Cooper, Don Preston, Carl Radle, Kathi McDonald, Claudia Linnear, John Gallie, Jim Horn e Furry Lewis e, claro, Sweet Emily). As gravações foram transmitidas na TV pela primeira vez em estéreo. Foram gravadas 6 horas, mas apenas uma foi ao ar. 

Hoje o Lobo do Rock celebra os 100 anos de Billie Holiday

Billie Holiday
Scubi, o Lobo do Rock celebra hoje, dia 15/4/2015, o centenário da extraordinária cantora de Jazz Billie Holiday.

Nascida na Filadélfia, em 7 de Abril de 1915, Eleanora Fagan Gough, por vezes, mais conhecida como Lady Day, é por muitos considerada a maior de todas as cantoras do jazz.

Quando nasceu, seu pai, Clarence Holiday, tinha apenas quinze anos de idade e sua mãe, Saddy Fagan, treze. Seu pai, guitarrista e banjista, abandonou a família quando Billie ainda era bebê, seguindo viagem com uma banda de jazz. Sua mãe, também inexperiente, frequentemente a deixava com familiares, ela teve uma infância difícil.1

Menina americana negra e pobre, Billie passou por todos os sofrimentos possíveis. Aos dez anos foi violentada sexualmente por um vizinho, e internada numa casa de correção para meninas vítimas de abuso. Aos doze, trabalhava lavando o chão de prostíbulos. Aos quatorze anos, morando com sua mãe em Nova York, caiu na prostituição.

Sua vida como cantora começou em 1930. Estando mãe e filha ameaçadas de despejo por falta de pagamento de sua moradia, Billie sai à rua em desespero, na busca de algum dinheiro. Entrando em um bar do Harlem, ofereceu-se como dançarina, mostrando-se um desastre. Penalizado, o pianista perguntou-lhe se sabia cantar. Billie cantou e saiu com um emprego fixo.

Billie nunca teve educação formal de música e seu aprendizado se deu ouvindo Bessie Smith e Louis Armstrong.

Após três anos cantando em diversas casas, atraiu a atenção do crítico John Hammond, através de quem ela gravou seu primeiro disco, com a big band de Benny Goodman. Era o real início de sua carreira. Começou a cantar em casas noturnas do Harlem (Nova York), onde adotou seu nome artístico.


Cantou com as big bands de Artie Shaw e Count Basie. E foi uma das primeiras negras a cantar com uma banda de brancos, em uma época de segregação racial nos Estados Unidos (anos 1930). Consagrou-se apresentando-se com as orquestras de Duke Ellington, Teddy Wilson, Count Basie e Artie Shaw, e ao lado de Louis Armstrong. Billie Holiday foi uma das mais comoventes cantoras de jazz de sua época. Com uma voz etérea, flexível e levemente rouca, Sua dicção, seu fraseado, a sensualidade à flor da voz, expressando incrível profundidade de emoção, a aproximaram do estilo de Lester Young, com quem, em quatro anos, gravou cerca de cinquenta canções, repletas de swing e cumplicidade. Lester Young foi quem lhe apelidou "Lady Day".


A partir de 1940, apesar do sucesso, Billie Holiday, sucumbiu ao álcool e às drogas, passando por momentos de depressão, o que se refletia em sua voz.

Pouco antes de sua morte por overdose de drogas, Billie Holiday publicou sua autobiografia em 1956, Lady Sings the Blues, a partir da qual foi feito um filme, em 1972, tendo Diana Ross no papel principal.
Fonte: Wikipedia